Sexta-feira, 4 de Julho de 2008

aurora

Hoje magoaram-me muito. Um tipo. E isto foi-me perturbador. Por duas razões. Primeiro, a intenção era, bem se percebeu, torpe e oriunda de quem representa coisa nenhuma para mim. Depois, o que ele representa para as outras pessoas todas é ainda menor do que aquilo que eu nem sinto por ele. Mas, mesmo assim, não consegui evitar ficar triste. Ainda tentei ignorar o que sentia, por se tratar tão somente de um tolo petulante, que ainda não superou a adolescência típica de pensar que o mundo começou quando ele nasceu. Quando terminou, disse-lhe da tristeza que me provocou. Fi-lo com os melhores modos que conheço e que convoquei para o momento. Tratei-o com o maior respeito que consegui. Evidentemente, ele nada percebeu. E, depois, naquela solidão em que me encontrava, que bem que me soube as palavras que me deram no final. Como soube bem temperar com elas a mágoa funda e inexplicável, (bem me envergonha confessá-lo), que senti. Fiquei-lhes tão obrigado. A decência é mesmo um amanhecer lindíssimo.
publicado por Rui Correia às 13:38
link deste artigo | comentar | favorito
11 comentários:
De Rui a 7 de Julho de 2008 às 20:51
Obrigado, gente. Mas percebeis o que isto tem de embaraçoso para mim, não é? Confessei-o aqui por achar que talvez estas coisas não me aconteçam só amim e dessa forma miitigar a vergonha e encontrar algum juízo no meio do que inexplicavelmente vou sentindo. Consabidamente, o juízo é algo que nem sempre a razão das coisas nos proporciona. Ao menos acreditasse eu nessa absurda distinção cartesiana entre coração e razão. Isto está tudo na glândula pineal, li antigamente. :)
De Isabel a 7 de Julho de 2008 às 15:52
Só hoje, dia 7 de Julho me deram um "lamiré" sobre o assunto. Se pensas que fiquei pasmada pela atitude do dito cujo, digo-te já que não. Só quem... não vou falar disso agora. Mas também não me surpreendeu que a tua resposta tenha sido a nivelar por cima. Sei que ficaste triste, mas não quero que fiques. Eu não vou deixar. Isso é o que ele queria, não?
Sabes, já ouviste dizer que "vozes de burro não chegam ao céu?" É mais ou menos isso.
E só posso dizer que estou contigo.
Bjo
De Tito de Morais a 6 de Julho de 2008 às 14:59
Boas!
Lamento que tenhas passado pela experiência que, infelizmente, é cada vez mais comum. São cada vez menos as pessoas que se atravessam pelas outras. Dizem que estão lá e depois quando olhamos para trás... ou então depois dão-nos palmadas nas costas. Daí que eu tenha cada vez menos pachorra para diplomacias. Às vezes com burgessos tem de se ser burgesso!
Um abraço e quando precisares de uns miminhos, vem até ao Porto.
Abraço
Tito
De daniel a 6 de Julho de 2008 às 11:16
Esqueci-me de te garantir, no entanto, meu caro Professor, que aqui em Viseu tenho feito amizade com uns ciganos e uns brasileiros porreirinhos. Se for preciso, mando-os aí e prontos: aulas só começam em fevereiro.
Conte sempre connosco, meu caro Professor.
De Rui a 5 de Julho de 2008 às 19:55
Obrigado, Daniel. Fica tão tranquilo como está a Manuela. :)
De daniel abrunheiro a 5 de Julho de 2008 às 18:28
Esclareço:

o blog do Rui (e sobretudo o próprio Rui) há-de ser sempre o último sítio propício aos meus dislates insultuosos.
Ou seja: o meu comentário não era para "manuelizar" nem a senhora em questão, nem questão outra que não fosse a que suponho ter sido: um parvo qualquer que se menorizou ainda mais ao ter a atitude que teve perante a geral complacência dos empregados do Estado que docentes são por covardia mais que por vocação.
A Manuela ria-se, que faz bem.
Agora, digo: eu conheço o Rui.
E esse Rui nunca será magoado à minha frente.
nem da Manuela.
De Rui a 5 de Julho de 2008 às 17:46
Rir, sim. rir, sempre. Porque tu sabes tão bem como o Daniel, que te não conhece, a quem o Daniel se refere.
De manuela a 5 de Julho de 2008 às 17:00
Vou engolir mais uma vez e rir porque faz bem à alma e o tipo q pague a factura! Um abraço.
De Rui a 5 de Julho de 2008 às 16:32
Tens toda a razão, Daniel. Só erraste no destinatário do arremesso. Muito. Águas passadas. Culpa do Djavan e das várias Manuelas que me devolveram à sensatez de regressar ao que importa.
De daniel abrunheiro a 5 de Julho de 2008 às 03:26
sempre achei piada a estas santas pós-parto que engolem "desaforo" e depois pedem desculpa. onde mora uma coisa chamada lhaneza? pelos vistos, aí mora pouco. e a coluna vertebral? ou isso é território de minhocas e de lesmas?

Comentar post

pesquisa

 

arquivo

nós

Dezembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
31

t&d
t&d