Domingo, 7 de Outubro de 2012

estupidez

...e vai daí um tenta fazer com que o outro diga que sim, que este governo deve manter-se, e chama a isso "moção de censura". Parangona do dia seguinte: PS não apoia a queda do governo. Dias depois, o outro tenta fazer com que o primeiro diga que não, que não deve reduzir-se o número de deputados (a bête noire expiatória de todas as frustrações) e chama a isso intervir na redução da despesa para contrariar o aumento de impostos. Parangona do dia seguinte: PCP e BE não querem reduzir número de deputados.

 

Com coisas sérias não se brinca. Sobretudo agora. Quando há fome em cada família.

 

Esta recíproca malevolização partidária não nos conduz a nada. Precisamos, todos precisamos dos partidos. Sobretudo num momento em que a contenção é um bem escasso. Nada existe de sério nestes malabarismos retóricos. Se chegámos a este ponto na política isso não se deve aos políticos. Deve-se a todos quantos ao longo destas três décadas de democracia se foram afastando do dever cívico do exercício das suas responsabilidades como cidadãos. Votando e sendo eleitos. Só assim se expulsa quem lá não merece andar. E são muitos.

 

Tão estúpido como aviltar o regime democrático é vulgarizar as suas fragilidades procedimentais.

publicado por Rui Correia às 22:11
link deste artigo | comentar | favorito

pesquisa

 

arquivo

nós

Dezembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
31

t&d
t&d