Segunda-feira, 20 de Junho de 2011

gincanalização

 

First things first. Participei, como sempre faço, na Gincana do Onofre. Desde muito cedo, os meus alunos me convidaram para os acompanhar e como qualquer professor sabe, com essas coisas não se brinca. Uns meses depois recordaram-me que a coisa estava para breve e que era preciso arranjar um nome para a equipa. Dei-lhes a latitude toda. Escolheram leite derramado, que é um nome suficientemente parvo para que ninguém se esqueça dele.

 

Quanto a motivação, disse-lhes aquilo que digo sempre em matéria de competição: Entramos sempre para ganhar. Mal acaba a prova só conta termos participado. Se ganharmos ficamos em dívida para com os vencidos. Isto é especialmente verdade se for a feijões. Então aí é que a coisa é mesmo para levar a sério. Foi o caso.

 

Este ano a prova foi muito bem escrita. A palavra “voltejar” apareceu e só por isso já valia ter participado. Os lugares a descobrir foram muito bem escolhidos e muito verdinhos, o que a somar a um dia belíssimo fez desta manhã um tempo muitíssimo bem passado.

Esteve quem quis estar e não esteve quem não quis estar.

 

Claro que o staff (vem de “estafa” que isto dá trabalho) tudo fez para nos fazer passar figuras de urso, mas este ano, devo confessar, até esteve bem moderado. Limitámo-nos a jogar à macaca.

 

Pois a minha equipa venceu o torneio e – diga-se - com toda a justificação porque estiveram sempre com o modo vencedor ligado. Sem pressas e sempre a rir, foi um prazer passear a pé com eles. Nunca copiámos, como é agora moda, mas ainda tentámos uma boa série de vezes. Só que o pessoal já me nos conhece e esconde os papéis mal nos aproximamos. É uma coisa…

 

Fiquei impressionado com a minha equipa que fez uma interpretação de uma canção dos xutos e pontapés que arrancou palmas e palmas da assistência. Foi essa prova que fez a diferença, já que saltar à macaca nunca foi o meu forte.

 

Agora é preciso dizer que a roubalheira foi mais que muita, com as professoras do staff, pertencentes ao lobby das menhéres, a tentar dar abébeas às suas congéneres e a tentar o bota abaixo para os homens. O Carlos Vasconcelos chegou para elas, arrancando um primeiríssimo lugar que foi o orgulho de toda a homenzarrada macacã presente.

 

Parabéns a todos pelos entusiasmo e por uma manhã de serenidade divertida e - por que não? – culta.

 

 

_________________

 

Para saber mais é consultar o excelente blog da Filomena Ruivo - a única incorruptível juíza do certame.

publicado por Rui Correia às 14:20
link deste artigo | comentar | favorito

pesquisa

 

arquivo

nós

Dezembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
31

t&d
t&d