Segunda-feira, 8 de Novembro de 2010

limpeza a seco

 

O Público convidou o Miguel Esteves Cardoso, benfiquista de clara, para comentar, minuto a minuto, a catástrofe de ontem. O resultado foi tão inesquecível como o resultado. Fica o seu testemunho para se compreender de vez a superioridade do benfiquismo sobre os demais ismos. E isto aunível do geral e do particular também.

 

"12 min - Miguel Esteves Cardoso (SLB): Não tem importância nenhuma, este golo. É bom que o Porto ganhe uma falsa sensação de segurança.

 

19 min - Miguel Esteves Cardoso (SLB): O Porto, como sempre, ainda está convencido que pode ganhar este jogo.

 

24 min - Miguel Miguel Esteves Cardoso (SLB): Outro golo do Porto. A calma do Benfica perante este flagelo  é, como sempre, uma prova de superioridade perante a ganância frenética do Porto. O Porto joga como se dependesse deste jogo. Alguém deveria chamá-lo à realidade.

 

28 min - Miguel Esteves Cardoso (SLB): Terceiro golo do Porto. Mas não tem limite a gula deste clube. Se o Porto marca um quarto golo - aviso já - o Benfica desiste. Este jogo não é importante para o Porto, mas o Porto, desaustinado, comporta-se como se fosse. Que triste espectáculo. Em contrapartida, o Benfica - para o qual este jogo até é importante - dá um exemplo magnífico de indiferença.


45 min - Miguel Esteves Cardoso (SLB): Que estranho complexo leva o Porto a esforçar-se tanto? Que impede o Porto de ver o Benfica como uma equipa de futebol como qualquer outra? A humilhação não é perder por pouco ou muito - a humilhação é uma equipa que já está a ganhar por 3-0 jogar como se ainda tivesse de marcar mais três para não ficar mal vista. O Benfica, pelos vistos, achou graça à brincadeira de marcar quatro golos e depois deixar o adversário marcar três. Só que o Lyon desgraçou-se a tentar empatar. O Benfica é mais inteligente. Se o Porto teimar em marcar um quarto golo, o Benfica está-se nas tintas. É assim que se dá cartas no futebol.


46 min - Miguel Esteves Cardoso (SLB): Tudo indica que o Porto já está em declínio. Aposto que, por muito que se esforce, não consegue marcar mais 3 golos na segunda parte. Se não conseguir, é uma enorme humilhação.

 

O Benfica também está a exagerar no desdém - já me parece má-criação. Durante o chá do intervalo, bem que podia - por respeito pelo adversário - jogar com uma defesa. E com um mínimo de animação. O Porto merece mais atenção. E é deselegante negar-lhe o prazer da vitória. O Benfica deve dar-lhe um mínimo de luta - mesmo fingida - nem que seja como cortesia.

Diferença entre o Porto e o Benfica. O Porto ainda tem medo de não ganhar. O Benfica ainda tem esperança que possa perder por menos de 6-0, sem esforço.

 

53 min - Miguel Esteves Cardoso (SLB): O Porto continua a ser incapaz de marcar golo na segunda parte. Chega a ser trágica esta impotência. Nem parecem os mesmos.

 

Miguel Esteves Cardoso: O quarto golo do Porto está cada vez mais distante - por muito que o desejem e se esforcem, são incapazes de concretizá-lo. O Benfica assiste, estupefacto. Nem assim?

 

62 min - Miguel Esteves Cardoso (SLB): Só o Porto encara o quarto golo como se fosse o primeiro. E falha-o repetidamente, odiando-se por falhar. Para os benfiquistas, já confortavelmente resignados, faz a delícia do dia.

 

Miguel Esteves Cardoso: O Benfica caiu na asneira de jogar futebol durante um minuto - ter-se-á esquecido de manter a pinta?

 

66 min - Miguel Esteves Cardoso (SLB): É expulso Luisão. Os benfiquistas começam a querer ir para casa. Quem os pode condenar?

 

Miguel Esteves Cardoso (SLB): O Benfica tem apenas 10 jogadores, a jogar sem vontade, já tendo concedido a partida. Mas, mesmo assim, o Porto vê-se aflito para marcar o primeiro golo da segunda parte. É confrangedor.

 

80 min - Miguel Esteves Cardoso (SLB): O Porto, infelizmente, é uma equipa de primeira parte - com a aflição inicial, marca três golos histéricos. Mas na segunda parte - a mais nobre do futebol - vai-se abaixo e é incapaz de marcar um único golo que seja, mesmo contra dez fantasmas que mentalmente já estão em casa a beber uma cerveja.

 

O Benfica, através de Coentrão, intervém caridosamente e oferece um penálti. Assim é que é! Se não fosse assim, o Porto ficar-se-ia pelo zero a zero na segunda parte.

 

A generosidade é a indulgência dos artistocratas.

 

90 min - Miguel Esteves Cardoso (SLB): Hulk marca o quinto golo. Nunca mais acaba o jogo. Só espero que o Benfica não tenha a deselegância de cair na foleirice de tentar marcar o "golo de honra". Qualquer golo do Benfica seria, neste contexto, tão patético como a sofreguidão portista de marcar três golos em cada parte.

Só falta um do Porto - mas cheira-me que o Porto não vai ser capaz.

Deve ser muito frustrante para ele.


Final - Miguel Esteves Cardoso (SLB): Acabou, graças a Deus! Nem o Benfica foi piroso ao ponto de marcar um golo de honra nem o Porto foi capaz de marcar o sexto.

Estiveram bem ambas as equipas. O Porto esforçou-se de mais - mas não o suficiente. O Benfica nem sequer fez um esforço - mas, mesmo assim, o Porto não conseguiu marcar seis."

publicado por Rui Correia às 09:58
link deste artigo | comentar | favorito
5 comentários:
De paula colaço a 9 de Novembro de 2010 às 03:41
O Amor é lindo!
De Rui a 9 de Novembro de 2010 às 22:18
Lindo, sim, o amor
De Fernando a 9 de Novembro de 2010 às 19:55
Não sou nada de generalizações e nadinha de achar que os nossos é que são bons e os outros são todos uns trogloditas, mas, sinceramente, não estou a imaginar nenhum portista conhecido publicamente a conseguir brincar assim com os próprios desastres. Nem eu era capaz, durante o jogo, de escrever assim tão desprendidamente. MEC no seu melhor!
De Rui a 9 de Novembro de 2010 às 22:17
esséquéiéça
De Lúcio a 12 de Novembro de 2010 às 17:34
Com um aritocrático e superior sentido de humor destes, diria que o homem é adepto do SCP.

Comentar post

pesquisa

 

arquivo

nós

Dezembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
31

t&d
t&d