Segunda-feira, 17 de Maio de 2004

detrás da relva

relvas

Há homenagens que demoram a chegar, mas chegam. Os recentes anúncios de promoção do Euro 2004 adoptaram como conceito uma ideia simples e justa: que a melhor parte de ir ver a bola a Portugal é ir à bola com Portugal. O conceito evoluiu e os publicitários imaginaram relvar o país todo, praças e praias incluídas. Um relvado à beira mar plantado. Mas atenção agora: só por pensamento daninho se pode supor que a ideia da relva se fica a dever apenas a uma alusão insignificante aos estádios de futebol. Nada mais ingénuo. Então a praça do geraldes e o resto da república portuguesa iam ficar subitamente todas relvadinhas, por causa de uns rolos de erva comprados a espanhóis? Não, senhor. Foi, mas foi, para homenagear um dos vultos mais importantes e injustiçados da nossa história, protagonista de um dos momentos fundamentais do nosso passado republicano. Já perceberam a homenagem, não é? Quem foi que subiu à varanda da câmara municipal de Lisboa naquele longínquo e bombardeado dia 5 de Outubro de 1910 para proclamar a república portuguesa? José Relvas, pois claro. Relvas, estão a ver? Não me digam que pensaram que… Sinceramente… Viva Portugal: a Primeira República à beira-mar implantada pelo José Relvas.
publicado por Rui Correia às 01:19
link deste artigo | comentar | favorito
1 comentário:
De frangipani a 17 de Maio de 2004 às 19:42
Para além do euro 2004 temos os euros diários do golf. São hecteuros de relva, acredita. Aparas cortadas e terra dura.

Comentar post

pesquisa

 

arquivo

nós

Dezembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
31

t&d
t&d