Quarta-feira, 14 de Julho de 2004

cerco

assinatura.jpg

Algo que sempre me surpreendeu nas cerimónias de casamento é quando o padre ou o juiz dizem: "Pelos poderes que me foram investidos, eu vos nomeio marido e mulher". Nunca me conformo com esta proclamação solene. Lá que ele nomeie o noivo, "marido", não me parece mal, até porque é para isso que ele ali está. Agora, que "poderes investidos" são esses que permitem a alguém nomear uma noiva, "mulher"? O que é que a rapariga era antes? Um homem? Não acho piada nenhuma à palavra "esposa", mas parece-me que aqui fazia sentido. Isto é tão pateta que se um padre dissesse "Eu vos nomeio homem e mulher" toda a gente ia pensar que o tipo, ou não regula bem da cabeça, ou bebeu demais na eucaristia. Isto é coisa portuguesa, porque em inglês usa-se, apropriadamente, o "husband" and "wife".
Mas o pior é que, durante o casamento, a coisa continua. Depois de casados, a mulher referir-se-á ao seu marido como "- O meu marido...", ao passo que o homem, por causa dos poderes que foram investidos ao outro que os casou, fala da esposa como a sua "mulher". É como se a mulher pudesse apenas dispor de uma parcela do seu homem: o "marido" e não o "homem", integralmente. Por seu lado, o homem não dispõe apenas da sua "esposa"; ele diz "- A minha mulher..."; no seu contrato de casamento, a "propriedade adquirida" inclui todas as facetas, mesmo as essenciais, da pessoa com quem casou.
Mas a coisa não acaba aqui e tende a tornar-se ainda mais ofensiva. Imagine-se que o casal se divorcia. A partir de então, a mulher passa a referir-se ao seu anterior marido, entre outros insultos, como o seu "ex-marido". Faz sentido. O marido regressa à condição de "homem", perdendo o estatuto de "marido". Faria também sentido que a "esposa" regressasse agora à condição de "mulher". Mas não. O marido irá referir-se à sua anterior esposa como "ex-mulher". A derradeira injúria. Como ela se divorciou dele, agora já nem "mulher" é. É "ex-mulher". Ou seja, alguém que um dia chegou a ser "mulher". Porque já foi casada. Fica assim explícito que para se ser "mulher" é condição indispensável ter um "marido". E há mesmo pessoas que acham que tudo isto é casual. Não é. Isto é tão idiota que se vê logo que é coisa concebida por homens. Outra subtileza linguística para sitiar a dignidade da mulher. Se fosse casual, ninguém acharia estranho que uma mulher se referisse ao seu anterior marido como "ex-homem". Mas é. Não soa bem, pois não? Mas "ex-mulher" já não soa tão mal. Curioso. Em inglês lá temos o "ex-husband" e "ex-wife", e não "ex-woman".
Ache-se, ainda assim, que tudo isto é fortuito e palerma. Mas olhem que não é. Advirto-os. Não é, porque já há muito tempo que assim parece.
publicado por Rui Correia às 10:30
link deste artigo | comentar | favorito
1 comentário:
De Nuno Marques a 17 de Março de 2007 às 19:46
realmente esta muito bem visto sim senhor porque raio de rasão não usamos a palavra esposa parece formal é verdade e apenas vemos os mais idosos ou engravatados a usa-la do tipo "dê os meus parabens à sua esposa" só por uma mera questão de respeito usamos esposa apenas com pesoas que nos são distantes.
Mas porque raio de razão não vulgarizamos a palavra que hoje se acha "cara" esposa que até é uma palavra bonita

Comentar post

pesquisa

 

arquivo

nós

Dezembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
31

t&d
t&d